Cascavel passa a ter o Dia do Imigrante Haitiano

12/06/2017 - 16:40
Haitianos estão integrados à vida comunitária em Cascavel Haitianos estão integrados à vida comunitária em Cascavel Foto: Arquivo Paraná Oeste

Foi aprovado por unanimidade nesta segunda-feira (12) o Projeto de Lei 53/2017, que institui o "Dia do Imigrante Haitiano" no município de Cascavel, a ser comemorado sempre no dia 18 de maio de cada ano. A iniciativa do vereador Carlinhos de Oliveira (PSC) atende a uma situação de interesse coletivo e social, tendo em vista a vulnerabilidade deste grupo de imigrantes no Brasil e a necessidade de pensar ações que ajudem os haitianos a inserir-se na comunidade e traga também aos cascavelenses mais conhecimento da cultura e da história destes indivíduos.

A IMIGRAÇÃO

O ano de 2010 marcou o início da imitação haitiana no Brasil. A entrada dos haitianos via Tabatinga, no Amazonas, começou a ser notada em fevereiro de 2010, logo após o terremoto, que sacudiu violentamente o Haiti, e em particular a capital, Porto Príncipe. A catástrofe provocou a morte de mais de 150 mil pessoas e deixou cerca de 300 mil deslocados internos.

Os haitianos chegam, em geral, a Brasiléia, no Acre, de ônibus e são orientados a procurar a delegacia da PF solicitando refúgio, preenchendo um questionário no próprio idioma e sendo entrevistados por policiais. A PF expede um protocolo preliminar que os torna "solicitantes de refúgio", obtendo os mesmos direitos que cidadãos brasileiros, como acesso à saúde e ao ensino. Eles também podem tirar carteiro de trabalho, passaporte e CPF, sendo registrados oficialmente no país.

Após o registro na PF, a documentação segue para o Comitê Nacional de Refugiados (Conare) e para o Conselho Nacional de Imigração, que abrem um processo para avaliar a concessão de residência permanente em caráter humanitário, com validade de até 5 anos. Os haitianos não são considerados refugiados no Brasil. Segundo a lei brasileira, o refúgio só pode ser concedido a quem provar estar sofrendo perseguição em seu país por motivos étnicos, religiosos ou políticos. Porém, em razão da crise humanitária provocada pela catástrofe de 2010, o governo brasileiro abriu uma exceção, concedendo-lhes um visto diferenciado.

HAITIANOS EM CASCAVEL

Cascavel tem hoje mais de quatro mil haitianos residentes. São imigrantes que aqui buscam uma melhor qualidade de vida, trabalhando em vários setores de nossa cidade, em especial na área da construção civil, colocando mão de obra a serviço do desenvolvimento da cidade. Conforme explica o vereador Carlinhos, “estas pessoas devem ser valorizadas no seu dia a dia, e nada mais justo que homenagearmos esses imigrantes com ações em um dia específico, mostrando que o povo cascavelense respeita o que está escrito na letra de seu hino "uma cidade hospitaleira".

“Esperamos que o dia do imigrante sirva para mostrar que aqui não importa a raça, o credo, a região de onde você veio. Que as pessoas são tratadas de forma igualitária e com respeito”, afirmou Carlinhos. O vereador salientou ainda a dedicação das Cáritas de Cascavel e da Pastoral do Imigrante que fazem um trabalho internacionalmente reconhecido e atuam especialmente na atenção básica das famílias e na integração com a comunidade.

imagens