Governador anuncia obra para solucionar gargalo do Trevo Cataratas

09/12/2019 - 14:34

Um dos maiores gargalos rodoviários do Paraná, o Trevo Cataratas (BR-277), em Cascavel, será totalmente reconfigurado com a construção de um viaduto. A passagem em nível vai facilitar o fluxo de cerca de 30 mil veículos que passam pelo local por dia. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (09) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior.

A obra integra um pacote de oito projetos que serão  com recursos do acordo de leniência de R$ 400 milhões firmado pela Ecorodovias com o Ministério Público Federal (MPF). Aempresa controla a Ecovia e a Ecocataratas e fará investimentos de R$ 150 milhões até 2021 ao longo da BR-277, principal corredor rodoviário e de exportação  do Paexecutadosraná.

O acordo prevê R$ 130 milhões para a execução de três obras no trecho da Ecocataratas, no Oeste do Estado, e R$ 20 milhões em cinco obras da Ecovia, no trecho entre a Região Metropolitana de Curitiba e o Litoral. Outros R$ 220 milhões estão sendo abatidos com a redução de tarifas e R$ 30 milhões serão pagos em multas.

O governador também anunciou a inclusão no acordo de leniência homologado pela Justiça Federal da doação de todos os projetos executivos elaborados pela concessionária, o que permitirá celeridade ao Estado na execução das obras que não foram contempladas, inclusive com possibilidade de abatimento no contrato da nova concessão se houver melhorias com recursos do Tesouro.

“Nós apontamos obras importantes para o desenvolvimento do Estado. Os critérios foram técnicos, e visam reduzir os índices de acidentes e melhorar a capacidade de tráfego e mobilidade”, afirmou Ratinho Junior. “Essas obras já deviam ter acontecido, mas foram retiradas dos contratos”.

Segundo o governador, a perspectiva é que a intervenção comece imediatamente, conforme os projetos fiquem prontos. “É uma das obras mais complexas do Brasil”, destacou Ratinho Junior, sustentando que a construção do viaduto vai contribuir com a competitividade do Paraná e atrair mais investimentos ao Estado. “Isso ajudará a trazer mais empresas e empregos”.

O secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, explicou que as obras escolhidas são as mais prioritárias da BR-277. “Todas as regiões necessitam de mais obras de arte e duplicações, mas temos valores específicos e agimos pela prioridade”, pontuou, lembrando que as escolhas foram referendadas pela Força Tarefa Lava Jato, do Ministério Público Federal.

TREVO CATARATAS – O Trevo Cataratas é um entroncamento por onde passam mais de trinta mil veículos por dia e reúne as rodovias BR-369, no sentido de Maringá, a BR-277, entre Guarapuava e Foz do Iguaçu, a BR-467, em direção a Toledo, e a Avenida Brasil, que é principal via de acesso a Cascavel.

O governador afirmou que o trevo é o principal gargalo logístico do Estado e que a obra será executada em duas fases, com implementação de viadutos e retirada dos semáforos. “É uma obra emblemática. A população cobrava do Estado há mais de 30 anos”, destacou Ratinho Junior.

De acordo com o governador, a concessionária tem um cronograma a ser executado e já existe uma tratativa com o Ministério da Infraestrutura para que, em caso de atraso, o Trevo Cataratas esteja dentro da nova concessão. “Ou seja, não há risco dessa obra não ser entregue”, disse. “Essa obra terá serviço 24 horas por dia, uma verdadeira força-tarefa. Vamos tentar entregar até 2021”, emendou o secretário Sandro Alex.

O prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, disse que o novo trevo deveria ter saído do papel há uma década para acompanhar o crescimento do volume de veículos que trafegam pela região. “Muitas famílias choraram nesse trevo com acidentes fatais. Ele também é um gargalo para o desenvolvimento. É uma obra que vai mudar o Oeste do Paraná porque Cascavel é um corredor da produção do Paraná, Mato Grosso do Sul e do Paraguai”, afirmou.

Nos próximos dias técnicos da prefeitura vão se reunir com a concessionária, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) para tratar dos desvios necessários nas pistas para a execução das obras.

OBRAS - Os R$ 130 milhões da Ecocataratas serão investidos em dois projetos além do Trevo Cataratas: melhorias nas vias marginais na BR-277, em Foz do Iguaçu, e terceiras faixas entre Cascavel e Guarapuava. A concessão da empresa se estende por 543 quilômetros da BR-277, que recebe movimento de cerca de 11 milhões de veículos por ano, mais da metade (55%) no transporte de cargas.

As melhorias nas vias marginais acontecerão entre o Trevo Charrua e o Viaduto Costa e Silva, liberado na última sexta-feira (6). As terceiras faixas entre Cascavel e Guarapuava (passando por Laranjeiras do Sul, Candói e outras cidades) serão executadas com parte desses recursos, mas ainda não há previsão de quilometragem ou quantidade.

RMC-LITORAL – Os R$ 20 milhões da Ecovia serão investidos em cinco projetos que viabilizarão mais segurança para moradores, turistas e no sistema de escoamento de produção até o Porto de Paranaguá.

A Ecovia administra 296 quilômetros de estradas - os 84 quilômetros da BR-277 entre a capital e Paranaguá, além de segmentos rodoviários da PR-508 e PR-407, e das alças de ligação a Morretes e Antonina. Nesse trecho trafegam 6,6 milhões de veículos por ano, 35% relacionado ao transporte de cargas.

As obras serão a duplicação da PR-407 no entroncamento com a PR-412, uma extensão de 830 metros em cada sentido, compondo uma rótula, no perímetro urbano de Pontal do Paraná; uma passarela no km 01 da Avenida Ayrton Senna, em Paranaguá; uma passarela no km 77 em São José dos Pinhais, atendendo a comunidade São Judas Tadeu; a alça de retorno na BR-277 com a PR-508; e a iluminação de cinco quilômetros na BR-277 na entrada de Paranaguá, para melhorar a segurança da movimentação de cargas, da população e evitar prostituição.

LENIÊNCIA - A Justiça Federal do Paraná homologou o acordo de leniência da Ecorodovias em setembro deste ano e a empresa reduziu as tarifas nas suas seis praças de pedágio em 30%. Os R$ 400 milhões do acordo devem ser pagos até o fim das concessões, em 2021. A concessionária reconheceu o pagamento de propinas para conseguir mudanças contratuais, atos de corrupção e lavagem de dinheiro.

PRESENÇAS – Marcaram presença no anúncio o vice-governador Darci Piana; o secretário de Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge; a procuradora-geral do Estado, Letícia Ferreira; o diretor-geral do DER, Fernando Furiatti; o comandante do Batalhão de Polícia Rodoviária, tenente-coronel Olavo Vianei Nunes; o superintendente da PRF no Paraná, Ismael de Oliveira; o superintendente de Inovação da Casa Civil, Henrique Domakoski; os deputados estaduais Homero Marchese, Marcel Micheletto, Márcio Pacheco e Luiz Fernando Guerra; e o consultor em Infraestrutura e Logística da Federação das Indústrias do Paraná, João Arthur Mohr.

Box

Acordo com a Rodonorte prevê duplicações, viadutos e trincheiras

O governador Carlos Massa Ratinho Junior também já anunciou as 12 obras que serão executadas com R$ 365 milhões liberados pelo acordo de leniência firmado pela concessionária CCR-Rodonorte e o Ministério Público Federal (MPF). São oito interseções de nível (viadutos, trincheiras e passagens) e cerca de 30 quilômetros de duplicações nas rodovias sob responsabilidade da empresa.

As obras que serão feitas são as interseções I-04 - Jardim Guarany – Campo Largo – BR-277; I-06 - Cercadinho – Campo Largo – BR-277; I-19 – acesso a Castrolanda/Socavão – Castro – PR-151 com PR-340; I-09 - Trevo de Brotas - Piraí do Sul – PR-151; intervenções em trechos da Avenida Souza Naves - Ponta Grossa – BR-373; I-27 acesso secundário Ponta Grossa – PR-151; I-60 acesso ao Contorno Leste de Ponta Grossa – BR-376; e as duplicações na BR 376 dos km 431 ao 420; 420 ao 412; 412 ao 411,3;403 ao 399,8 e 399,8 ao 394,5.

O sistema rodoviário atendido pela Rodonorte no Paraná abrange a BR-277, entre Curitiba e São Luiz do Purunã; a BR-376, entre Apucarana e São Luiz do Purunã, passando por Ponta Grossa; a PRC-373/PR-151, entre Ponta Grossa e Jaguariaíva; e a BR-373, no perímetro urbano de Ponta Grossa (Av. Souza Naves), ligação da cidade com as saídas para o Norte do Paraná e Foz do Iguaçu.

O acordo de leniência prevê R$ 750 milhões de investimentos até o final da concessão, sendo R$ 365 milhões para a execução de obras e outros R$ 350 milhões para arcar com redução em 30% da tarifa de todas as praças de pedágio por ela operadas, medida em vigor desde abril. Houve ainda o pagamento de multa para o Estado no valor de R$ 35 milhões.

Box

Novo Anel de Integração terá 4,1 mil quilômetros de rodovias

O Anel de Integração do Paraná será modernizado a partir de 2021. A licitação será feita pelo governo federal e terá 4,1 mil quilômetros de estradas estaduais e federais – o atual tem 2,5 mil quilômetros.

O novo programa de concessões incorpora ao polígono original três estradas estaduais: PR-092 (Norte Pioneiro), PR-323 (Noroeste) e PR-280 (Sudoeste). O leilão também deve abranger os trechos paranaenses das BRs 163 (Oeste), 153 (de Ourinhos a União da Vitória) e 476 (Rodovia do Xisto). O governo federal investiu R$ 60 milhões no projeto.

Pelo cronograma da Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL), contratada pela União para fazer os estudos de viabilidade da nova concessão, a modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica será concluída em 2020. O documento vai concentrar todas as informações necessárias para a licitação, incluindo formas de cobranças, projetos prioritários e valores previstos de tarifas.

imagens
  • cascavel 2