Obras em aeroporto, prainhas e ponte internacional: onde Itaipu irá investir no Paraná

26/12/2018 - 11:02
Diretor geral brasileiro, Marcos Stamm:atento às necessidades do Oeste Diretor geral brasileiro, Marcos Stamm:atento às necessidades do Oeste

Pelos próximos cinco anos, a Itaipu planeja injetar cerca de 250 milhões de dólares em obras “externas”, ou seja, fora dos limites da própria hidrelétrica. O maior investimento deverá ser feito na construção da segunda ponte entre Brasil (Foz do Iguaçu) e Paraguai (Presidente Franco) – obra que já foi formalmente anunciada pelos presidentes do Brasil e Paraguai e que pode custar em torno de 70 milhões de dólares.

Outros investimentos ligados à infraestrutura já foram abraçados pela Itaipu. Entre eles, estão obras de melhorias no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu; elaboração do projeto do Aeroporto Regional, perto de Cascavel; construção do Mercado Público Cobal em Foz do Iguaçu; revitalização de prainhas artificiais, de parques e praças públicas, nos municípios lindeiros.

Investimentos do tipo são feitos desde a década de 1970 pela Itaipu, com foco na responsabilidade social e ambiental, e também pensando no desenvolvimento da área de influência do reservatório da hidrelétrica. A Itaipu já foi responsável, por exemplo, pela construção de conjuntos habitacionais, estradas e vias de acessos, instalações elétricas, obras de navegação, sistema de telecomunicações, saneamento.

Mas a área de influência vem aumentando ao longo dos anos. Inicialmente, a Itaipu atuava em 16 municípios lindeiros, mas, a partir de 2003, ampliou para 29 municípios. Recentemente, em 2017, passou a atuar em mais 26 municípios do Oeste do Paraná, totalizando 55 municípios no total.

Ratinho está de olho em parcerias

Na esteira de uma crise econômica que reduz a capacidade de investimento do governo do Paraná, Ratinho Júnior (PSD) já sinalizou que pretende fortalecer a parceria com a Itaipu. O governador eleito já se reuniu no último dia 30 com o diretor-presidente da hidrelétrica, Marcos Stamm.

Em entrevista à Gazeta do Povo, Ratinho disse que a ideia é criar uma política de desenvolvimento regional em conjunto com o setor produtivo e com a Itaipu. “Nós pedimos inclusive para a Itaipu nos ajudar na elaboração de projetos executivos na área de infraestrutura”, antecipou Ratinho.

Segunda ponte entre Brasil e Paraguai

O governo federal também se uniu à Itaipu para viabilizar a segunda ponte entre Brasil e Paraguai, diante da dificuldade orçamentária do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), órgão ligado ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

A obra da segunda ponte está nos planos do governo federal desde 2014, mas não teria saído do papel por falta de dinheiro. Agora, em 2018, embora a cúpula da Itaipu já tenha demonstrado interesse em assumir a obra, já aconteceu a aprovação formal do investimento por parte da hidrelétrica.

A expectativa do presidente Temer – e também de Cida Borghetti (PP), que deixa o governo do Paraná em dezembro – é dar início à obra ainda em dezembro, como uma espécie de legado das suas gestões.

link matéria

https://www.gazetadopovo.com.br/politica/parana/obras-em-aeroporto-prainhas-e-ponte-internacional-onde-itaipu-ira-investir-no-pr-8325jb8e4o46x9t3ajkolv6jq/ 

imagens