Recessão econômica não intimida campanha presidencial na Argentina

24/06/2019 - 10:18

Em meio à recessão, a Argentina lançou sábado (22) a corrida presidencial. O presidente liberal Mauricio Macri, que busca a reeleição, enfrentará Alberto Férnandez, que lidera a chapa peronista ao lado da ex-presidente Cristina Kirchner.

Por France Presse.

O terceiro na disputa é o centrista Roberto Lavagna, embora esteja bastante atrás em um cenário polarizado entre o macrismo e o kirchnerismo.

O país irá às urnas em meio a uma recessão que começou no ano passado e de uma pobreza (32% em 2018), desemprego (10,1% no primeiro trimestre deste ano) e inflação (47,6% em 2018 e que acumulou mais de 19% até maio passado) crescentes.

Milhares de pessoas caíram na pobreza nos últimos meses, em razão de uma dramática combinação de falta de trabalho e inflação, especialmente sobre produtos básicos como leite, carne e pão.

Somado a isso, um aumento de até 1.000% no preço da eletricidade, gás, água e transporte.

A recessão afetou a popularidade de Macri, um engenheiro de 60 anos que busca um segundo mandato de quatro anos, mas não o suficiente para deixá-lo fora da corrida.

Crítico das políticas protecionistas, de controles e subsídios que caracterizaram o governo anterior de Cristina Kirchner (2007-2015), Macri sofreu com devastadoras corridas cambiárias e recebeu em 2018 uma ajuda do Fundo Monetário Internacional de US$ 56 bilhões em troca da promessa de alcançar o equilíbrio fiscal este ano e superávit em 2020.

Ele se apresenta com a coalizão que o acompanhou nos últimos anos, integrada pelo Proposta Republicana (PRO) e pela União Cívica Radical (UCR).

Macri pede aos eleitores um voto de confiança "para não voltar ao passado", em referência ao período de Kirchner.

As pesquisas mais recentes dão a Macri menos de 30% das intenções de voto.

Tornar o país "habitável"

Por outro lado, a chapa de Alberto Fernández, que reúne diversas correntes do peronismo de centro e de esquerda, e que aparece com vantagem nas pesquisas com mais de 30% das preferências, exalta as dificuldades econômicas, prometendo "mobilidade social ascendente" e "tornar a Argentina habitável".

Fernández, que foi chefe de gabinete do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e também em 2008, durante o primeiro ano de governo de sua viúva Cristina, trouxe o toque de moderação necessária para atrair os setores peronistas distantes da visceral ex-presidente.

A terceira força em disputa é a chapa do ex-ministro da Economia Roberto Lavagna e do governador de Salta Manuel Urtubey, que despertam cerca de 10% das intenções de voto.

A dupla tem ganhado espaço apostando numa tentativa de despolarizar a sociedade, muito polarizada nos últimos.

No entanto, essa iniciativa perdeu força com a incorporação de Fernandez à chapa eleitoral Kirchner.

Quando as respectivas alianças entregarem suas listas antes da meia-noite, os binômios que aspiram a assumir o controle do país terão sido definidos e, antes da eleição presidencial de 27 de outubro, terão que se submeter às primárias abertas e simultâneas de 11 de agosto.

No primeiro turno de outubro, um candidato só sairá vitorioso se obtiver 45% dos votos, ou se receber 40% e uma diferença maior que 10% com o segundo mais votado. Caso contrário, haverá um segundo turno em 24 de novembro.

imagens