Prefeitura investiga queda de muro que matou criança

12/06/2017 - 14:59

O prefeito Leonaldo Paranhos determinou uma rigorosa investigação para apurar responsabilidades na queda de uma estrutura de concreto que vitimou uma criança na tarde deste domingo (11) no Bairro Floresta. “Estou determinando a formação de uma comissão, inclusive convidando a Associação dos Engenheiros de Cascavel para realizarmos uma apuração rápida e rigorosa e determinar as causas e responsáveis dos fatos e, de acordo com os resultados, encaminhar à Justiça para as medidas cabíveis”, anunciou o prefeito.

O menino João Vitor Oliveira dos Santos, de nove anos, brincava no espaço junto com dois outros amigos quando o que restava de uma estrutura de concreto caiu sobre ele.

A estrutura que caiu na tarde deste domingo fazia parte de um Centro de Vivência construído em 2012 na Rua Bem-te-vi, no Bairro Floresta. Na época foram licitados sete centros semelhantes como parte de um projeto para proteção de fontes. No início do ano passado um pedaço da construção já havia caído e, segundo os próprios moradores, deixou aparente que a obra havia sido mal construída, sem a amarração adequada. “Uma obra dessas não pode ser construída para durar apenas cinco anos e isso também deverá ser apurado”, afirmou o prefeito.

O Centro de Vivência do Floresta foi licitado em 16 de dezembro de 2011 com o preço máximo de R$ 73 mil reais e a construção realizada em 2012.

INTERDIÇÃO

Outra medida tomada pelo prefeito Paranhos foi determinar às secretarias de Meio Ambiente, Ação Comunitária e Serviços e Obras Públicas a interdição de todos os locais que tenham obras semelhantes, independente de seu estado de conservação. Na licitação ocorrida em 2011 foram construídos sete centros nos Bairros Claudete, Pacaembu, Brasmadeira, Brasília, Santa Cruz, Região do Lago e também o do Bairro Floresta.

No total, pelo menos 26 desses centros foram construídos nos últimos oito anos. “Estamos determinando que todos sejam interditados até que uma avaliação técnica seja feita para verificar se foram executados de forma correta e se oferecem risco ou não à população”, informou o prefeito.

APOIO E SOLIDARIEDADE

As secretarias de Assistência Social, Ação Comunitária e Acesc também foram mobilizadas pelo prefeito Paranhos para que todo o apoio seja prestado à família do garoto João Vitor. “Lamentamos a tragédia e o que podemos fazer agora, além da apuração das responsabilidades, é sermos solidários com o sofrimento desta família”, disse Paranhos.

imagens