Crise na saúde: Convênio abrirá mais leitos em enfermaria do HU

20/03/2018 - 13:48
Reunião aconteceu no plenarinho da Câmara Reunião aconteceu no plenarinho da Câmara Foto: Flávio Ulsenheimer/CMC

A Câmara de Vereadores de Cascavel promoveu na manhã desta terça feira (20) um encontro dos principais gestores da saúde no município de Cascavel. Representantes da 10ª Regional de Saúde, Ministério Público, Consamu, Hospitais, Secretaria Municipal de Saúde entre outras entidades discutiram a crise vivida pela saúde no município, que culminou no último fim de semana com um alerta da Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel (Sesau) de que as Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), serviço de referência para atendimentos dos casos de urgência, encontram-se no seu limite. O alerta dava conta ainda de que não havia mais macas disponíveis em nenhum destes serviços. Situação que revoltou o Presidente do Legislativo, Gugu Bueno (PR), que convocou a reunião com o objetivo de que se encontre uma solução para o problema.

Várias autoridades participaram, como o reitor da Unioeste, Paulo Sérgio “Cascá” Wolf, o diretor da 10ª Regional de Saúde, MJiroslau Bailak, representantes do Ministério Público e do Conselho de Saúde, dentre outros.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Cascavel “as unidades possuem, cada uma, um total de 20 vagas para leitos de observação, onde os pacientes devem permanecer para estabilização e três leitos de suporte para os pacientes de maior gravidade”. Na UPA Brasília, 35 pacientes estão em observação e, destes, 18 aguardam leito hospitalar, sendo três em leitos de suporte. Na UPA Tancredo, 23 em observação, dos quais nove aguardando leito hospitalar. Na UPA Veneza: 4 pacientes no suporte; 37 pacientes em observação, sendo que 22 estão aguardando leito hospitalar via central de leitos e 13 pelo fluxo de ortopedia.

O secretário Rubens Griep relata ainda que “as equipes de plantão estão comprometidas em receber, acompanhar e tratar os pacientes da melhor forma possível, mesmo diante das dificuldades e sobrecarga de toda a estrutura. Informamos também que as ambulâncias do SAMU e SIATE estão ficando retidas, pois não há outro lugar para acomodar os pacientes além da maca de origem” e que, “a despeito dos esforços das equipes em agilizar transferência de pacientes, como já é de conhecimento de todos, a transferência para leitos hospitalares é de responsabilidade do Estado do Paraná”.

Na reunião Griep voltou a afirmar que a estratégia para enfrentamento da situação, é que à Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA) providencie a imediata abertura da enfermaria G2, com 30 leitos, já discutido e pactuado como estratégia durante a reforma do Pronto Socorro do HUOP e/ou o pagamento de leito administrativo (rede privada) via Estado para os pacientes que aguardam vaga hospitalar nas UPAS, possibilitando o restabelecimento das atividades.

Para Gugu Bueno a reunião foi satisfatória, uma vez que surgiu a possibilidade de um convênio entre Unioeste e Consamu, que possibilitará a abertura de uma enfermaria com 30 leitos no Hospital Universitário. “Serão abertos 10 leitos imediatamente o que será um alívio neste momento crítico. Além disso eu tenho a certeza de avançaremos ainda mais já que conseguimos um comprometimento de todos os gestores na busca de soluções” ressaltou.

A reunião marcada para a tarde de hoje (20) terá início às 15 horas no Ministério Público da Comarca.

imagens